MP já está a investigar morte suspeita de aluno

Ir em baixo

MP já está a investigar morte suspeita de aluno

Mensagem por FreezingMoon em Qui 04 Mar 2010, 09:12

Ministério Público ouve hoje Conselho Executivo e Associação de Pais. Educação também já abriu inquérito interno.

O Ministério Público junto do Tribunal Judicial de Mirandela já abriu um processo de inquérito para apurar o que terá estado na origem da morte de um rapaz de 12 anos, aluno do 6.º ano da Escola Básica Luciano Cordeiro. Hoje serão ouvidos naquele processo de inquérito o presidente do Conselho Executivo da escola e a presidente da Comissão de Protecção de Menores, Manuela Teixeira.

O jovem Leandro Filipe foi levado pelas águas do Rio Tua na terça-feira às 12.30. Segundo o relato do primo, Ricardo Nunes, o menor atirou- -se ao rio. Conta que quando saíram da escola, Leandro estava transtornado e dizia que colegas mais velhos o tinham de novo agredido. Segundo Ricardo, Leandro queixava-se de que os colegas queriam dinheiro e quando ele não tinha o agrediam.

Após a saída da escola, os dois jovens acompanhados ainda do irmão gémeo de Leandro dirigiram-se para a ponte açude de Mirandela, o menino dizia que "não aguentava mais e que se iria suicidar". Ricardo diz ter tentado e conseguido demovê-lo de se atirar da ponte quando subitamente "ele começou a correr para junto da margem e depois de tirar a roupa atirou-se ao Tua, desaparecendo rapidamente na corrente", relata.

José António Ferreira, presidente da Associação de Pais da Escola Básica Luciano Cordeiro, confrontado com a existência de casos de violência na escola, desmente. "Não é verdade a ocorrência de bullying", sublinhou. "É natural que ocorra, como em todas as escolas, um ou outro desentendimento, mas violência não tenho conhecimento, nem nunca ninguém se queixou", disse.

No entanto, o DN apurou que Leandro foi espancado brutalmente há cerca de um ano por um grupo de colegas da escola, o que na altura motivou o internamento do jovem no Hospital de Mirandela (texto ao lado). Confrontado com o caso, o presidente da Associação de Pais admitiu ter tido conhecimento do caso, mas adiantou de imediato que aconteceu "fora da escola", mais precisamente na central de camionagem.

No entanto, os relatos de violência repetem-se. "Andam a dizer que foi acidente, mas não foi. Ele e outros colegas são sistematicamente agredidos pelos mais velhos se não lhes dão o dinheiro, eles queixavam-se mas os responsáveis da escola não ligavam", relata uma colega de turma, sob anonimato.Outra colega, Tânia Baptista, conta que via muitas vezes Leandro a chorar. "Outro dia eu perguntei-lhe se lhe tinham voltado a bater. Ele respondeu que sim, mas não me disse quem tinha sido porque tinha medo que lhe voltassem a bater" refere.

O Conselho Directivo não quis prestar declarações, mas um dos seus elementos afirmou ao DN que não existem casos de violência naquele estabelecimento de ensino. Diz que o comprova um relatório da Direcção-Geral de Educação do Norte de 2009, que colocou aquela escola no topo daquelas onde não há violência.

O Ministério da Educação informou que foi aberto um processo de averiguações para apurar o que "poderá ter ocorrido no recinto da escola antes do sucedido". Durante todo o dia de ontem prosseguiram as buscas para encontrar o corpo. Nas buscas estiveram envolvidos 150 elementos dos bombeiros, GNR, PSP e Protecção Civil. As buscas prosseguem hoje.
avatar
FreezingMoon
FórumAdmin
FórumAdmin

Número de Mensagens : 2395
Idade : 33
Localização : Fafe\Guimaraes
Data de inscrição : 18/03/2008

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum